sábado, 16 de dezembro de 2017

STAR WARS - EPISÓDIO VIII - OS ÚLTIMOS JEDI | REVIEW - A CEREJA DO BOLO DE 2017!

" Algo... sempre esteve dentro de mim.
E agora despertou.
E eu preciso de ajuda. "




#SPOILERS

STAR WARS - VIII: THE LAST JEDI
(EPISÓDIO 8 - Os Últimos Jedi) 

País: EUA / Classificação: 12 anos

Estréia: 14 de Dezembro de 2017

Direção: Rian Johnson

Roteiro: Rian Johnson

Elenco: Daisy Ridley, Adam Driver, Oscar Isaac,

Mark Hamill, Domhnall Gleeson, John Boyega... 


  Lembrando que essa crítica será feita pela perspectiva de um Fã  

Com uma fuga deveras da trivialidade, o destemido episódio VIII abre uma gama de possibilidades para o futuro na galáxia tão, tão distante de STAR WARS


Geralmente, o segundo filme de uma trilogia é um ponto em que o foco se remete ao desenvolvimento de tudo (ou quase tudo). Sendo assim, o que se poderia esperar de "OS ÚLTIMOS JEDI" é: no mínimo, um trabalho rico em detalhes; seja relacionado a trama em si, ou então, mais voltado para os personagens. 


No entanto, ele foi mais além, ousou explorar novas abordagens e deixou cair por terra, alguns clichês já antigos da franquia, conseguindo fazer isso muito bem, sem desrespeitar ou ferir os preceitos estabelecidos no universo de SW desde 1977 com George Lucas. Com identidade própria e um tom bem mais diferente de O DESPERTAR DA FORÇA - 2015, a história continua e responde alguns fios soltos deixados no episódio VII, apresentando novos rostos e personagens, ao mesmo tempo em que abre outras perguntas para o IX.



A direção e roteiro de Rian Johnson trazem uma singularidade para obra que denota uma necessidade de emocionar os fãs mais antigos e ao mesmo tempo, conquistar uma legião de novos fãs. Realmente faz jus ao nome "GUERRA NAS ESTRELAS", pois, durante todo o filme isso é abordado; seja no espaço (primeira cena é simplesmente extasiante), nas batalhas em solo, com soldados entrincheirados se preparando para combate. É impressionante como consegue fazer tudo isso e ainda manter a característica padrão de ação, aventura e comédia, (algo que já é enraizado na franquia cinematográfica) conseguindo equilibrar com maestria as referências aos episódios antigos e dando personalidade própria para o episódio VIII.


Depois do golpe sofrido em O DESPERTAR DA FORÇA, a Primeira Ordem se ergue para eliminar os remanescentes da Aliança Rebelde; A General Leia Organa (saudosa Carrie Fischer) coloca toda a Tropa Rebelde em retirada, enquanto o piloto Poe Dameron  (Oscar Isaac) tem uma missão de proteção importante no espaço. Na sequência, a trama segue com Rey (Daisy Ridley) já no planeta Ahch-To, lar dos famosos e fofíneos "Porgs", local onde fica  o primeiro Templo Jedi, e onde Luke Skywalker se encontrava exilado; Rey está em busca de entender o poder "despertado" nela recentemente e um possível treinamento com o Mestre Skywalker, esperando ainda, sua reintegração na força rebelde. Em outro ponto temos Kylo Ren, desta vez mais preparado para seguir as ordens do Líder Supremo Snoke e atacar com tudo que possui. No meio disso tudo, temos 152 minutos distribuídos de forma emocionante. Não que o filme inteiro seja tenso, mas como fã assíduo que me considero, quase não pisquei durante o filme (rsrs). 


Os efeitos especiais são um ponto alto de tirar o fôlego. Muitos combates, explosões, naves espaciais, lutas, criaturas, já falei naves especiais? Cada cena é bem convidativa, impactante,  fazendo com que o espectador seja parte de tudo. A trilha sonora de John Willians colabora e muito dando um ritmo de aventura pro filme. A fotografia é simplesmente linda. Os tons em cada ambiente são assentados de forma muito particular e minuciosamente articulada: a beleza paradisíaca da ilha, as batalhas espaciais, os tons leves de rubro e negro exalam mistério quando se apresentam nos combates; considero o ponto ápice quando somos apresentados ao sistema Crait, onde a tropa se refugia para a última batalha do filme.



Uma ligação é estabelecida entre Rey e Kylo Ren. Através da Força, os dois entram em contato como uma forma de "Skype" e por conta disso, acabam se colocando um no lugar do outro, o que possibilita cada um achar que conseguirá converter o outro à sua causa. Isso torna o enredo um tanto imprevisível  durante o decorrer do filme, e também o responsável pelas grandes "viradas de mesa". Os conceitos de bem e mal são colocados em xeque neste episódio: os Jedi e os Sith, os dois lados de uma moeda podem estar chegando a um nível de evolução do uso da Força.



Um ponto que considerei menos aproveitado foi relacionado ao uso de alguns personagens e a introdução de outros. Não tirou o brilho do filme em si, porém, não explicou de forma compreensível (pelo menos para mim) o papel e a importância na trama toda. Achei que Finn (John Boyega) estaria mais ligado com a trama principal (talvez um Jedi? Usar a Força?); esperava saber mais sobre quem é o Líder Supremo Snoke; assim como, gostaria de ver mais sobre a Capitã Phasma (Gwendoline Christie). Masssss... isso é algo que a própria franquia deve ter (preparado ou planejado) para ser abordado no universo expandido em livros ou séries, ou ainda, quem sabe no episódio IX.



Por outro lado foi muito bom perceber o carinho e a homenagem a eterna General (Princesa) Leia Organa (Carrie Fischer) que teve seu papel praticamente inalterado no longa. O destaque dado para Poe Dameron (Oscar Isaac) que poderá desempenhar um papel importante no próximo filme. Bom também, rever  personagens antigos (Mestre Yoda de "boneco" foi uma surpresa muito grande!) e até mesmo perceber que Luke (Mark Hamill) mandou muito bem e chegou ao ápice de sua sintonia com a Força, apesar de não explorar demais o treinamento de Rey e achar que os Jedi devem de fato acabar, ele soube direcioná-la de algum modo. Assim como a crush Rey (Daisy Ridley), que esteve simplesmente deslumbrante neste filme e Kylo Ren (Adam Driver) passou a imagem de um vilão maior, poderoso e mais imponente.       


O EPISÓDIO VIII da saga trouxe muita alegria, surpresa e emoção. Não é o filme perfeito, mas me agradou muito. Assim  como tivemos outras grandes produções cinematográficas no decorrer deste ano, OS ÚLTIMOS JEDI veio para ser a "cereja"  do bolo de 2017, fechando com chave de ouro, ou como dizem por aí: "Lacrando". Gostei muito e fiquei ainda mais ansioso para as próximas produções. Obrigado por ler até aqui e QUE A FORÇA ESTEJA COM VOCÊ! STAR WARS is life!!!

Classifico o filme
STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI
como 5 balõezinhos: Excelente!
💬💬💬💬💬

  Lembrando que essa crítica é apenas a minha opinião, e que foi feita pela perspectiva de um Fã  

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

JURASSIC WORLD: REINO AMEAÇADO | TRAILER DIVULGADO!

"Essas criaturas já estavam aqui
antes de nós.
E se não tivermos cuidado,
vão estar aqui depois."




Enfim a Universal Pictures divulgou o primeiro trailer de Jurassic World: Reino Ameaçado nesta sexta feira (08/12/2017), mostrando a volta dos personagens de Chris Pratt e Bryce Dallas Howard para a ilha num novo, porém, já conhecido perigo.


A ameaça, no entanto, parece se mostrar de outra forma nesse novo filme. O retorno para a ilha consistirá numa missão de resgate (com certeza, não para todos os "bichíneos" mas...) e portanto, poderá abordar em flashbacks o relacionamento de Owen Grady com "Blue" ainda bebê.


A produção do novo longa fica com Frank Marshall e terá no roteiro Derek Connolly e Colin Trevorrow. A direção fica nas mãos de Juan Antonio Bayona



Por conta de serem os protagonistas no primeiro longa, Chris Pratt e Bryce Dallas Howard já estão confirmados na continuação. Além disso, teremos o retorno do ícone Jeff Goldblum como Dr. Ian Malcolm.  


E então, o que espera pra esse segundo filma da nova trilogia? Deixe sua opinião nos comentários.
Jurassic World: Reino Ameaçado tem data de estreia prevista para 21 de junho de 2018 no Brasil.